A lei da floresta: poder e política na Inglaterra medieval (séculos XI-XIII)

A lei da floresta: poder e política na Inglaterra medieval (séculos XI-XIII)

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525214290

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

Este livro tem como objetivo analisar as leis florestais inglesas, na perspectiva das relações de poder entre a monarquia, a aristocracia (laica e eclesiástica) e o restante da sociedade, que de alguma maneira se vinculava ao espaço da floresta. A demarcação das florestas régias na Inglaterra chegou a alcançar um terço do reino, configurando um instrumento importante no exercício do poder, que se manifestava, principalmente, nos tribunais que julgavam os atos de infração cometidos por atores pertencentes a extratos sociais diversos. Para esta pesquisa, foram analisadas três fontes primárias: a Carta das Florestas, de 1217; Select Pleas of the Forest, que consiste em um apanhado de casos judiciais oriundos dos anais das Cortes Florestais; as cartas de concessões e privilégios emitidas por Henrique III. O estudo da historiografia que aborda o tema das florestas régias inglesas é igualmente importante, tanto no que se refere a informações eruditas essenciais para a construção do objeto de estudo, mas também para compreendermos de que forma a tradição historiográfica promove a evidência do controle sobre as florestas e que lhe permite identificar a tendência monopolista do poder régio inglês. Entretanto, com base na análise da documentação, foi possível chegar a conclusões que tornam o panorama do poder político inglês mais complexo. Foi possível interpretar as leis florestais em seu contexto, analisando punições e exceções, em uma perspectiva mais pluralista do poder.



Características

  • Ano: 2021
  • Autor: JOSE VITOR DE LUCENA CANABRAVA
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525214290
  • Nº de Páginas: 176


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Este livro tem como objetivo analisar as leis florestais inglesas, na perspectiva das relações de poder entre a monarquia, a aristocracia (laica e eclesiástica) e o restante da sociedade, que de alguma maneira se vinculava ao espaço da floresta. A demarcação das florestas régias na Inglaterra chegou a alcançar um terço do reino, configurando um instrumento importante no exercício do poder, que se manifestava, principalmente, nos tribunais que julgavam os atos de infração cometidos por atores pertencentes a extratos sociais diversos. Para esta pesquisa, foram analisadas três fontes primárias: a Carta das Florestas, de 1217; Select Pleas of the Forest, que consiste em um apanhado de casos judiciais oriundos dos anais das Cortes Florestais; as cartas de concessões e privilégios emitidas por Henrique III. O estudo da historiografia que aborda o tema das florestas régias inglesas é igualmente importante, tanto no que se refere a informações eruditas essenciais para a construção do objeto de estudo, mas também para compreendermos de que forma a tradição historiográfica promove a evidência do controle sobre as florestas e que lhe permite identificar a tendência monopolista do poder régio inglês. Entretanto, com base na análise da documentação, foi possível chegar a conclusões que tornam o panorama do poder político inglês mais complexo. Foi possível interpretar as leis florestais em seu contexto, analisando punições e exceções, em uma perspectiva mais pluralista do poder.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2021
  • Autor: JOSE VITOR DE LUCENA CANABRAVA
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525214290
  • Nº de Páginas: 176


Receba nossas promoções por e-mail: