A Nova República sem máscara: uma interpretação do Brasil às vésperas do bicentenário da independência (2010-2021)

A Nova República sem máscara: uma interpretação do Brasil às vésperas do bicentenário da independência (2010-2021)

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525204833

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

Este livro se prontifica a fazer uma interpretação do Brasil às vésperas do bicentenário de sua independência. A tarefa é árdua, visto que na condição de historiador, é sabido que, às vezes, é necessário um recuo seguro do tempo. Contudo, qual é o tempo preciso que delimita a segurança? Impossível precisar.

A Nova República passou nos últimos dez anos por eventos alucinantes. Não se teve um mínimo de paz em todo esse tempo. A vida do cidadão brasileiro foi consumida por intrigar políticas, problemas sociais, discursos moralistas e crises econômicas. É a pior década da história econômica do Brasil republicano.

O debate político foi às favas. Havia entre nós o mínimo de cordialidade, quando o assunto era política. Violência contra presidenciáveis, ataques a jornalistas, discursos de ódio e o ambiente tóxico das redes sociais carbonizaram a vida do leitor nos últimos dez anos. E, você, às vezes, nem sabe o porquê.

A pandemia da Covid-19 tornou o cenário muito pior. Disparado, o Brasil é o país com o pior desempenho no combate à doença. O descaso com o número de mortos, o falso dilema vida versus economia e as ações lamentáveis do presidente Jair Bolsonaro foram trazendo novas reflexões.

A presença obrigatória das máscaras, por questões sanitárias, escondendo uma parte das faces levou o autor a refletir: o que está escondido na história recente da Nova República? O debate político raivoso, tóxico e agressivo no que tange ao combate à pandemia só levantou novos questionamentos, afinal, a vida é o bem mais precioso que temos.

O terrível cenário supracitado levou o autor a indagar sobre a questão estrutural: o Brasil é um país carente de projetos. Tal constatação é triste! O deserto de ideias é gigantesco. E a culpa é dupla. Primeiro, ela deriva da nossa incapacidade de fazer política; segundo, o Brasil se tornou assim por conta da presença corriqueira do neoliberalismo entre nós.

O escritor havia encontrado o “Fio de Ariadne”. O Brasil se tornou um laboratório de um neoliberalismo agressivo, violento e, infelizmente, reacionário. Sem política, não há projetos; sem projetos, reina a violência; com a violência, não há política. Jair Bolsonaro foi eleito nesse cenário. Esse é o Brasil real, que sofre às vésperas do bicentenário da independência.

Com prefácio da professora Dra. Carla Reis Longhi, o livro convida o leitor a entender uma parcela de nossos problemas reais nos últimos dez anos. Vamos tirar a máscara da Nova República!



Características

  • Ano: 2021
  • Autor: Gustavo dos Santos Prado
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525204833
  • Nº de Páginas: 300


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Este livro se prontifica a fazer uma interpretação do Brasil às vésperas do bicentenário de sua independência. A tarefa é árdua, visto que na condição de historiador, é sabido que, às vezes, é necessário um recuo seguro do tempo. Contudo, qual é o tempo preciso que delimita a segurança? Impossível precisar.

A Nova República passou nos últimos dez anos por eventos alucinantes. Não se teve um mínimo de paz em todo esse tempo. A vida do cidadão brasileiro foi consumida por intrigar políticas, problemas sociais, discursos moralistas e crises econômicas. É a pior década da história econômica do Brasil republicano.

O debate político foi às favas. Havia entre nós o mínimo de cordialidade, quando o assunto era política. Violência contra presidenciáveis, ataques a jornalistas, discursos de ódio e o ambiente tóxico das redes sociais carbonizaram a vida do leitor nos últimos dez anos. E, você, às vezes, nem sabe o porquê.

A pandemia da Covid-19 tornou o cenário muito pior. Disparado, o Brasil é o país com o pior desempenho no combate à doença. O descaso com o número de mortos, o falso dilema vida versus economia e as ações lamentáveis do presidente Jair Bolsonaro foram trazendo novas reflexões.

A presença obrigatória das máscaras, por questões sanitárias, escondendo uma parte das faces levou o autor a refletir: o que está escondido na história recente da Nova República? O debate político raivoso, tóxico e agressivo no que tange ao combate à pandemia só levantou novos questionamentos, afinal, a vida é o bem mais precioso que temos.

O terrível cenário supracitado levou o autor a indagar sobre a questão estrutural: o Brasil é um país carente de projetos. Tal constatação é triste! O deserto de ideias é gigantesco. E a culpa é dupla. Primeiro, ela deriva da nossa incapacidade de fazer política; segundo, o Brasil se tornou assim por conta da presença corriqueira do neoliberalismo entre nós.

O escritor havia encontrado o “Fio de Ariadne”. O Brasil se tornou um laboratório de um neoliberalismo agressivo, violento e, infelizmente, reacionário. Sem política, não há projetos; sem projetos, reina a violência; com a violência, não há política. Jair Bolsonaro foi eleito nesse cenário. Esse é o Brasil real, que sofre às vésperas do bicentenário da independência.

Com prefácio da professora Dra. Carla Reis Longhi, o livro convida o leitor a entender uma parcela de nossos problemas reais nos últimos dez anos. Vamos tirar a máscara da Nova República!

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2021
  • Autor: Gustavo dos Santos Prado
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525204833
  • Nº de Páginas: 300


Receba nossas promoções por e-mail: