As matronas da Antiguidade Cristã: um estudo comparado das representações de gênero nas obras de Jerônimo e Agostinho (390-420 E.C.)

As matronas da Antiguidade Cristã: um estudo comparado das representações de gênero nas obras de Jerônimo e Agostinho (390-420 E.C.)

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525210452

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

A ideia de renúncia sexual, dentro das experiências cristãs no Mundo Antigo, construiu-se no decorrer dos primeiros séculos e teve sua culminância no final do quarto século E.C. De fato, na segunda metade desse século, houve o florescimento do movimento ascético e monástico no Império Romano, e grande parte foi protagonizado pelas mulheres abastadas de Roma, adeptas das manifestações religiosas cristãs. Por consequência, nessa época, houve uma significativa produção literária a respeito do gênero feminino e de arquétipos de mulheres cristãs pelos intitulados Padres da Igreja. Na Antiguidade Tardia, o conjunto de ideias do monge Joviniano que difundia a igualdade de méritos entre as cristãs batizadas virgens, viúvas e casadas estiveram perante o crivo rigoroso de Jerônimo de Estridão – em Adversus Jovinianum – e da visão ponderada do bispo Agostinho – em De Bono Conjugali e De Sancta Virginitate –, em que se compilaram relevantes projeções e hierarquias de gênero. Ainda entre os anos 380 e 420, tanto o monge Jerônimo quanto o bispo Agostinho escreveram e endereçaram epístolas para o gênero feminino aristocrático romano e, em tais empreendimentos, foram construídas interessantes representações das mulheres honradas e virtuosas para aquela sociedade masculinizada. 



Características

  • Ano: 2021
  • Autor: Fabiano de Souza Coelho
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525210452
  • Nº de Páginas: 404
  • Capa: Flexível


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

A ideia de renúncia sexual, dentro das experiências cristãs no Mundo Antigo, construiu-se no decorrer dos primeiros séculos e teve sua culminância no final do quarto século E.C. De fato, na segunda metade desse século, houve o florescimento do movimento ascético e monástico no Império Romano, e grande parte foi protagonizado pelas mulheres abastadas de Roma, adeptas das manifestações religiosas cristãs. Por consequência, nessa época, houve uma significativa produção literária a respeito do gênero feminino e de arquétipos de mulheres cristãs pelos intitulados Padres da Igreja. Na Antiguidade Tardia, o conjunto de ideias do monge Joviniano que difundia a igualdade de méritos entre as cristãs batizadas virgens, viúvas e casadas estiveram perante o crivo rigoroso de Jerônimo de Estridão – em Adversus Jovinianum – e da visão ponderada do bispo Agostinho – em De Bono Conjugali e De Sancta Virginitate –, em que se compilaram relevantes projeções e hierarquias de gênero. Ainda entre os anos 380 e 420, tanto o monge Jerônimo quanto o bispo Agostinho escreveram e endereçaram epístolas para o gênero feminino aristocrático romano e, em tais empreendimentos, foram construídas interessantes representações das mulheres honradas e virtuosas para aquela sociedade masculinizada. 

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2021
  • Autor: Fabiano de Souza Coelho
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525210452
  • Nº de Páginas: 404
  • Capa: Flexível


Receba nossas promoções por e-mail: