Complexo florestal e o extremo sul da Bahia: inserção competitiva, transformações socioeconômicas e padrão de desenvolvimento

Complexo florestal e o extremo sul da Bahia: inserção competitiva, transformações socioeconômicas e padrão de desenvolvimento

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525207957

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

O trabalho, fruto da tese de doutorado pelo CPDA/UFRRJ, analisa o processo de integração da Região do Extremo Sul da Bahia aos fluxos da economia nacional e internacional e as transformações socioeconômicas, decorrentes da implantação dos empreendimentos florestais e agroindustriais do setor de papel e celulose. A pesquisa foi norteada por dois vetores investigativos. O primeiro procurou examinar os fatores que condicionam o processo de integração competitiva da região. O segundo buscou identificar e interpretar as transformações socioeconômicas, correlacionando-as à dinâmica do desenvolvimento regional. Os aportes teóricos e analíticos trabalhados desnudaram que o fenômeno da globalização, embora permita a intensificação da mobilidade de capitais, não elimina a importância dos atributos territoriais enquanto portadores de vantagens competitivas das regiões (muitas delas desatreladas dos elementos mais comumente associados à globalização), integrando-as, por meio de especializações produtivas, aos circuitos do mercado global. As exigências locacionais das atividades econômicas devem ser analisadas à luz dos padrões e características concorrenciais dos setores. Assim, a inserção da região do Extremo Sul nos circuitos econômicos globais resulta da dotação de determinados atributos na região ? em especial as excelentes condições edafoclimáticas para silvicultura e a disponibilidade de terra ? determinantes fundamentais para a competitividade do segmento florestal-celulósico. Além dos elementos competitivos locacionais, a ação do Estado exerceu um importante papel na direção do novo patamar de inserção regional. Se, de um lado, os atributos vinculados ao padrão competitivo do setor de papel e celulose e impulsionados pela ação do Estado estabeleceram as condições e os elos para a integração da região, o segundo eixo investigativo revelou, com base em dados empíricos, que a implantação e a expansão do complexo florestal provocaram um conjunto de transformações na estrutura econômica, produtiva e social regional, expressos, entre outros aspectos, pela intensificação da concentração fundiária e incremento da exploração empresarial e pela expansão de atividades, ocupações e modos de vida, predominantemente, urbanos. Entretanto, a dinamização da economia, em particular a urbana, vista como sinônimo de desenvolvimento e modernização, tem se mostrado pouco profícua para a sociedade local. Tais evidências, além de revelar limitações no transbordamento dos benefícios da competitividade econômica global para a sociedade local, trazem à luz a necessidade de construção de arranjos institucionais e de relações de sinergias entre a sociedade local e as esferas públicas e privadas, enquanto recursos fundamentais para o desenvolvimento econômico e social. Assim, em consonância com a perspectiva institucionalista, não basta ser competitivo, é preciso criar um ambiente institucional, que proporcione formas de coordenação entre os atores, capazes de acionar o conjunto das capacidades locais em prol do desenvolvimento da sociedade. 



Características

  • Ano: 2021
  • Autor: MÁRCIA DA SILVA PEDREIRA
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525207957
  • Nº de Páginas: 224


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

O trabalho, fruto da tese de doutorado pelo CPDA/UFRRJ, analisa o processo de integração da Região do Extremo Sul da Bahia aos fluxos da economia nacional e internacional e as transformações socioeconômicas, decorrentes da implantação dos empreendimentos florestais e agroindustriais do setor de papel e celulose. A pesquisa foi norteada por dois vetores investigativos. O primeiro procurou examinar os fatores que condicionam o processo de integração competitiva da região. O segundo buscou identificar e interpretar as transformações socioeconômicas, correlacionando-as à dinâmica do desenvolvimento regional. Os aportes teóricos e analíticos trabalhados desnudaram que o fenômeno da globalização, embora permita a intensificação da mobilidade de capitais, não elimina a importância dos atributos territoriais enquanto portadores de vantagens competitivas das regiões (muitas delas desatreladas dos elementos mais comumente associados à globalização), integrando-as, por meio de especializações produtivas, aos circuitos do mercado global. As exigências locacionais das atividades econômicas devem ser analisadas à luz dos padrões e características concorrenciais dos setores. Assim, a inserção da região do Extremo Sul nos circuitos econômicos globais resulta da dotação de determinados atributos na região ? em especial as excelentes condições edafoclimáticas para silvicultura e a disponibilidade de terra ? determinantes fundamentais para a competitividade do segmento florestal-celulósico. Além dos elementos competitivos locacionais, a ação do Estado exerceu um importante papel na direção do novo patamar de inserção regional. Se, de um lado, os atributos vinculados ao padrão competitivo do setor de papel e celulose e impulsionados pela ação do Estado estabeleceram as condições e os elos para a integração da região, o segundo eixo investigativo revelou, com base em dados empíricos, que a implantação e a expansão do complexo florestal provocaram um conjunto de transformações na estrutura econômica, produtiva e social regional, expressos, entre outros aspectos, pela intensificação da concentração fundiária e incremento da exploração empresarial e pela expansão de atividades, ocupações e modos de vida, predominantemente, urbanos. Entretanto, a dinamização da economia, em particular a urbana, vista como sinônimo de desenvolvimento e modernização, tem se mostrado pouco profícua para a sociedade local. Tais evidências, além de revelar limitações no transbordamento dos benefícios da competitividade econômica global para a sociedade local, trazem à luz a necessidade de construção de arranjos institucionais e de relações de sinergias entre a sociedade local e as esferas públicas e privadas, enquanto recursos fundamentais para o desenvolvimento econômico e social. Assim, em consonância com a perspectiva institucionalista, não basta ser competitivo, é preciso criar um ambiente institucional, que proporcione formas de coordenação entre os atores, capazes de acionar o conjunto das capacidades locais em prol do desenvolvimento da sociedade. 

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2021
  • Autor: MÁRCIA DA SILVA PEDREIRA
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525207957
  • Nº de Páginas: 224


Receba nossas promoções por e-mail: