Neorrealismo e mundividência em Unhas Negras: uma memória dos vencidos

Neorrealismo e mundividência em Unhas Negras: uma memória dos vencidos

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786559560349

Carregando...
 
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

João da Silva Correia, autor de Unhas Negras (1953), escreveu durante a Segunda Guerra Mundial palestras contra o nazismo lidas ao vivo pela rádio BBC, de Londres, sob o pseudônimo "João Ninguém". O romance trata de des(en)cobrir a história subterrânea dos operários chapeleiros da cidade portuguesa de São João da Madeira. Partindo do princípio de se tratar de um romance neorrealista e da hipótese de que o movimento neorrealista português procurou, de maneira peculiar, restituir voz aos emudecidos da história, aos vencidos de que fala Walter Benjamin, ou desvelar o testemunho mudo a que se refere Jacques Rancière, aqui também são analisados o contexto histórico em que viveram esses operários e a própria mundividência de João da Silva Correia, testemunho memorial e ocular da realidade passada de sacrifícios e opressão na indústria chapeleira local, em um tempo de indignidade, exploração brutal, experiência devastada e ausência de direitos. A história particular desses operários nos idos de 1914, conhecidos como "unhas negras", faz parte também da história maior do século XX comentada por Susan Buck-Morss, a de um "mundo de sonho" cuja "utopia das massas" esfacelou-se sob a catástrofe do "pesadelo desenvolvimentista", do progresso e da indústria, ou a da "distopia econômica" disfarçada de "democracia" apontada por Alain Badiou.



Características

Características


  • Ano: 2021
  • Autor: RAFAEL REGINATO MOURA
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786559560349
  • Nº de Páginas: 196


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

João da Silva Correia, autor de Unhas Negras (1953), escreveu durante a Segunda Guerra Mundial palestras contra o nazismo lidas ao vivo pela rádio BBC, de Londres, sob o pseudônimo "João Ninguém". O romance trata de des(en)cobrir a história subterrânea dos operários chapeleiros da cidade portuguesa de São João da Madeira. Partindo do princípio de se tratar de um romance neorrealista e da hipótese de que o movimento neorrealista português procurou, de maneira peculiar, restituir voz aos emudecidos da história, aos vencidos de que fala Walter Benjamin, ou desvelar o testemunho mudo a que se refere Jacques Rancière, aqui também são analisados o contexto histórico em que viveram esses operários e a própria mundividência de João da Silva Correia, testemunho memorial e ocular da realidade passada de sacrifícios e opressão na indústria chapeleira local, em um tempo de indignidade, exploração brutal, experiência devastada e ausência de direitos. A história particular desses operários nos idos de 1914, conhecidos como "unhas negras", faz parte também da história maior do século XX comentada por Susan Buck-Morss, a de um "mundo de sonho" cuja "utopia das massas" esfacelou-se sob a catástrofe do "pesadelo desenvolvimentista", do progresso e da indústria, ou a da "distopia econômica" disfarçada de "democracia" apontada por Alain Badiou.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Características


  • Ano: 2021
  • Autor: RAFAEL REGINATO MOURA
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786559560349
  • Nº de Páginas: 196


Receba nossas promoções por e-mail: