O consenso em Jürgen Habermas e o Dissenso em Jean François Lyotard como narrativa de legitimação do conhecimento científico: em busca de um diálogo epistemológico intercultural

O consenso em Jürgen Habermas e o Dissenso em Jean François Lyotard como narrativa de legitimação do conhecimento científico: em busca de um diálogo epistemológico intercultural

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525201962

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

O presente livro pretende debater e demonstrar as duas visões epistemológicas sobre o conhecimento filosófico, partindo da análise habermasiana da interação e lyotardiana do problema da legitimação do saber. O objectivo central é confrontar as duas teorias filosóficas sobre a interacção e legitimidade do conhecimento filosófico, procurando encontrar de certa forma os pontos comuns que permitam fazer delas uma base de sustentação teórica e prática para uma reflexão epistemológica. O século XXI atravessa uma época caracterizada pela falência das grandes narrativas legitimadoras e, portanto, das certezas a todos os níveis, político, económico, ideológico e religioso que é geradora de desconfiança e insegurança que, muitas vezes, é interpretada como resultado da decadência dos ideais da modernidade, ou seja, do seu desajuste na compreensão humana. O rótulo pós-moderno aplica-se a diversos movimentos ou perspectivas de pensamento, tornando a definição do termo cada vez mais difícil e incerta. Os defensores do iluminismo enquanto projecto inacabado defendiam um grande potencial redentor na modernidade, digno de ser articulado e perseguido. Nesse sentido, aqui utilizaremos os termos "consenso" e "dissenso" como elementos de chegada das duas teorias epistemológicas. Na modernidade veem-se essa defesa como a mais ou a grandiosa narrativa de metafísica, sendo o consenso um dos lemas candentes e que tem de se sujeitar a semelhante questionamento radical. Lyotard crê que o consenso é uma obsoleta construção teórica moderna e, de modo algum, deve-se constituir fim de um discurso, por possuir um poder totalizador que impede que novas ideias e práticas desconhecidas surjam. Daí que o dissenso, ao contrário, e a agonística parecem ter um status privilegiado na teoria de Lyotard. A partir de finais de 1960 e início dos anos 1970, cujo critério da fundamentação das suas normas de linguagem, o consenso validado intersubjectivamente, a verdade do problema de adequação entre a proposição e o mundo real, passou a um problema semântico concebido como uma questão consensual de verdade. Em suma, as teorias epistemológicas têm efeitos actuais, visto que ambas se complementam apesar das divergentes críticas entre elas. Por isso, é preciso criar espaços para um projecto de "desconstrução" e de "construção" epistémicas através do diálogo intercultural.



Características

  • Ano: 2021
  • Autor: Tiago Tendai Chingore
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525201962
  • Nº de Páginas: 132


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

O presente livro pretende debater e demonstrar as duas visões epistemológicas sobre o conhecimento filosófico, partindo da análise habermasiana da interação e lyotardiana do problema da legitimação do saber. O objectivo central é confrontar as duas teorias filosóficas sobre a interacção e legitimidade do conhecimento filosófico, procurando encontrar de certa forma os pontos comuns que permitam fazer delas uma base de sustentação teórica e prática para uma reflexão epistemológica. O século XXI atravessa uma época caracterizada pela falência das grandes narrativas legitimadoras e, portanto, das certezas a todos os níveis, político, económico, ideológico e religioso que é geradora de desconfiança e insegurança que, muitas vezes, é interpretada como resultado da decadência dos ideais da modernidade, ou seja, do seu desajuste na compreensão humana. O rótulo pós-moderno aplica-se a diversos movimentos ou perspectivas de pensamento, tornando a definição do termo cada vez mais difícil e incerta. Os defensores do iluminismo enquanto projecto inacabado defendiam um grande potencial redentor na modernidade, digno de ser articulado e perseguido. Nesse sentido, aqui utilizaremos os termos "consenso" e "dissenso" como elementos de chegada das duas teorias epistemológicas. Na modernidade veem-se essa defesa como a mais ou a grandiosa narrativa de metafísica, sendo o consenso um dos lemas candentes e que tem de se sujeitar a semelhante questionamento radical. Lyotard crê que o consenso é uma obsoleta construção teórica moderna e, de modo algum, deve-se constituir fim de um discurso, por possuir um poder totalizador que impede que novas ideias e práticas desconhecidas surjam. Daí que o dissenso, ao contrário, e a agonística parecem ter um status privilegiado na teoria de Lyotard. A partir de finais de 1960 e início dos anos 1970, cujo critério da fundamentação das suas normas de linguagem, o consenso validado intersubjectivamente, a verdade do problema de adequação entre a proposição e o mundo real, passou a um problema semântico concebido como uma questão consensual de verdade. Em suma, as teorias epistemológicas têm efeitos actuais, visto que ambas se complementam apesar das divergentes críticas entre elas. Por isso, é preciso criar espaços para um projecto de "desconstrução" e de "construção" epistémicas através do diálogo intercultural.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2021
  • Autor: Tiago Tendai Chingore
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525201962
  • Nº de Páginas: 132


Receba nossas promoções por e-mail: