O encarceramento de indígenas sul-mato-grossenses: do Icatu à Penitenciária Estadual de Dourados

O encarceramento de indígenas sul-mato-grossenses: do Icatu à Penitenciária Estadual de Dourados

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525208343

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

A presente obra versa sobre uma forma de "tratamento" ministrada pelo Estado Republicado em face dos indígenas, principalmente sul-mato-grossenses, categorizados como "indisciplinados" ou "infratores": a prisão. Foi resultado de uma pesquisa que utilizou o método etnográfico, o genealógico e o da história de vida e após a revelação de "limites de segurança" do investigador foi advogado pela readequação do método disponível bem como a ideia de que a noção de etnografia deve ser constantemente ressignificada. Já no corpo do conteúdo, após reportar sobre a "pacificação" dos autóctones do oeste paulista, discorre sobre a transferência deles para a Terra Indígena do Icatu, que menos de vinte anos depois passou a figurar em documentos como "Escola Correcional", "Colônia Penal" e "Posto Correcional". Relaciona sessenta e quatro possíveis transferências sob a categoria de "cumprimento de pena", das quais foi possível o levantamento de cinquenta nomes e alguns retratos que os escassos documentos possibilitaram que não fossem apagados da história. Assim, apresenta parte da malha punitiva do SPI, o protagonismo do Icatu bem como sua substituição pelo Reformatório Krenak e posteriormente pela Fazenda Guarani. Por fim, seguindo nessa linha temporal-punitiva, chega no período atual, na Penitenciária Estadual de Dourados (PED) - líder nacional de encarceramento de indígenas - narrando parte do contexto dos Guarani e Kaiowá presos e as violações por parte do Estado brasileiro. 



Características

  • Ano: 2021
  • Autor: ARIOVALDO TOLEDO PENTEADO JUNIOR
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525208343
  • Nº de Páginas: 192


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

A presente obra versa sobre uma forma de "tratamento" ministrada pelo Estado Republicado em face dos indígenas, principalmente sul-mato-grossenses, categorizados como "indisciplinados" ou "infratores": a prisão. Foi resultado de uma pesquisa que utilizou o método etnográfico, o genealógico e o da história de vida e após a revelação de "limites de segurança" do investigador foi advogado pela readequação do método disponível bem como a ideia de que a noção de etnografia deve ser constantemente ressignificada. Já no corpo do conteúdo, após reportar sobre a "pacificação" dos autóctones do oeste paulista, discorre sobre a transferência deles para a Terra Indígena do Icatu, que menos de vinte anos depois passou a figurar em documentos como "Escola Correcional", "Colônia Penal" e "Posto Correcional". Relaciona sessenta e quatro possíveis transferências sob a categoria de "cumprimento de pena", das quais foi possível o levantamento de cinquenta nomes e alguns retratos que os escassos documentos possibilitaram que não fossem apagados da história. Assim, apresenta parte da malha punitiva do SPI, o protagonismo do Icatu bem como sua substituição pelo Reformatório Krenak e posteriormente pela Fazenda Guarani. Por fim, seguindo nessa linha temporal-punitiva, chega no período atual, na Penitenciária Estadual de Dourados (PED) - líder nacional de encarceramento de indígenas - narrando parte do contexto dos Guarani e Kaiowá presos e as violações por parte do Estado brasileiro. 

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2021
  • Autor: ARIOVALDO TOLEDO PENTEADO JUNIOR
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525208343
  • Nº de Páginas: 192


Receba nossas promoções por e-mail: