Política do "abate": uma análise da gestão da segurança pública no estado fluminense

Política do "abate": uma análise da gestão da segurança pública no estado fluminense

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525218410

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

Durante o ano de 2019, o governador eleito no estado do Rio de Janeiro, Wilson José Witzel, proferiu um discurso voltado para a defesa de uma política de enfrentamento, orientando as polícias estaduais a "abater" pessoas que estivessem portando armas de fogo do tipo fuzil e outros armamentos de uso restrito, pondo em prática ações violentas e letais, usando como justificativa a chamada "guerra às drogas" e colocando em risco, diariamente, a vida dos habitantes de áreas periféricas. Quanto ao modo do "abate", Witzel foi bem claro ao afirmar que "A polícia vai fazer o correto: vai mirar na cabecinha e... fogo! Para não ter erro".

A permissão dada pelo ex-juiz de direito e então governador fluminense para uma atuação dos agentes de segurança, no sentido de "abater" pessoas que portem fuzis, estaria respaldada na presunção de que o agente de segurança pública agiu em legítima defesa, com esteio nos artigos 23, II, e 25 do Código Penal, ou nos artigos 42, II e 44 do Código Penal Militar.

A violência advinda da criminalidade é, na atualidade, uma das maiores preocupações da sociedade brasileira e mundial, especialmente no Estado do Rio de Janeiro, onde os índices de criminalidade se mostram em crescimento. A preocupação acerca da naturalização desse tipo de abordagem na segurança pública, configurada em uma política voltada para o "abate" de pessoas, onde a lógica do confronto no enfrentamento do crime poderá proporcionar ainda mais violências e mortes.



Características

  • Ano: 2022
  • Autor: Juliana Santana Palomé
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525218410
  • Nº de Páginas: 128
  • Capa: Flexível


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Durante o ano de 2019, o governador eleito no estado do Rio de Janeiro, Wilson José Witzel, proferiu um discurso voltado para a defesa de uma política de enfrentamento, orientando as polícias estaduais a "abater" pessoas que estivessem portando armas de fogo do tipo fuzil e outros armamentos de uso restrito, pondo em prática ações violentas e letais, usando como justificativa a chamada "guerra às drogas" e colocando em risco, diariamente, a vida dos habitantes de áreas periféricas. Quanto ao modo do "abate", Witzel foi bem claro ao afirmar que "A polícia vai fazer o correto: vai mirar na cabecinha e... fogo! Para não ter erro".

A permissão dada pelo ex-juiz de direito e então governador fluminense para uma atuação dos agentes de segurança, no sentido de "abater" pessoas que portem fuzis, estaria respaldada na presunção de que o agente de segurança pública agiu em legítima defesa, com esteio nos artigos 23, II, e 25 do Código Penal, ou nos artigos 42, II e 44 do Código Penal Militar.

A violência advinda da criminalidade é, na atualidade, uma das maiores preocupações da sociedade brasileira e mundial, especialmente no Estado do Rio de Janeiro, onde os índices de criminalidade se mostram em crescimento. A preocupação acerca da naturalização desse tipo de abordagem na segurança pública, configurada em uma política voltada para o "abate" de pessoas, onde a lógica do confronto no enfrentamento do crime poderá proporcionar ainda mais violências e mortes.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2022
  • Autor: Juliana Santana Palomé
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525218410
  • Nº de Páginas: 128
  • Capa: Flexível


Receba nossas promoções por e-mail: