Por uma pedagogia da cura: uma introdução à filosofia de Georges Canguilhem

Por uma pedagogia da cura: uma introdução à filosofia de Georges Canguilhem

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525243948

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

Mas – pergunta-se Canguilhem – e se o "erro" fosse compreendido não apenas como o oposto racional da verdade, mas sobretudo como um "erro" (tanto no sentido de errância quanto no de acidente genético mutacional) da vida? Nesse caso, o erro estaria enraizado na vida como "o próprio do vivente" e a ciência, que tem a verdade como efeito necessário, poderia ser compreendida como mais um "erro" da vida. Isso é o que teria escapado a Nietzsche. E, tendo ficado preso à concepção cartesiana de erro – Descartes que, com isso, inviabilizaria a estética, como já vimos ser esse o juízo de Canguilhem desde a conferência de 1937 –, Nietzsche, por sua vez, inviabilizaria a ciência como teoria da aparência, mediante a qual se autoriza uma pedagogia do erro, e não uma busca pela essência. Retomando, pois, "os termos do problema", a filosofia de Canguilhem "os pensa em outra direção". Contudo, situando sua "retificação" a Nietzsche no próprio domínio de Nietzsche (não mais no domínio cartesiano do entendimento, mas no domínio vital), a tese pela reabilitação da ciência por Canguilhem é também, mas num outro sentido, perfeitamente nietzschiana. A superação dos obstáculos patológicos da vida passa a ser a meta para um novo conceito de progresso; e a psicanálise do fogo se torna uma pedagogia da cura.



Características

  • Ano: 2022
  • Autor: Caio Souto
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525243948
  • Nº de Páginas: 228


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Mas – pergunta-se Canguilhem – e se o "erro" fosse compreendido não apenas como o oposto racional da verdade, mas sobretudo como um "erro" (tanto no sentido de errância quanto no de acidente genético mutacional) da vida? Nesse caso, o erro estaria enraizado na vida como "o próprio do vivente" e a ciência, que tem a verdade como efeito necessário, poderia ser compreendida como mais um "erro" da vida. Isso é o que teria escapado a Nietzsche. E, tendo ficado preso à concepção cartesiana de erro – Descartes que, com isso, inviabilizaria a estética, como já vimos ser esse o juízo de Canguilhem desde a conferência de 1937 –, Nietzsche, por sua vez, inviabilizaria a ciência como teoria da aparência, mediante a qual se autoriza uma pedagogia do erro, e não uma busca pela essência. Retomando, pois, "os termos do problema", a filosofia de Canguilhem "os pensa em outra direção". Contudo, situando sua "retificação" a Nietzsche no próprio domínio de Nietzsche (não mais no domínio cartesiano do entendimento, mas no domínio vital), a tese pela reabilitação da ciência por Canguilhem é também, mas num outro sentido, perfeitamente nietzschiana. A superação dos obstáculos patológicos da vida passa a ser a meta para um novo conceito de progresso; e a psicanálise do fogo se torna uma pedagogia da cura.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2022
  • Autor: Caio Souto
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525243948
  • Nº de Páginas: 228


Receba nossas promoções por e-mail: