Sentidos e Memória: os signos de Proust na vida de músicos cegos

Sentidos e Memória: os signos de Proust na vida de músicos cegos

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525295091

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

Qual é o papel dos sentidos na memória de um aprendizado obtido e consolidado ao longo da vida? E a palavra? Que lugar ela ocupa no tecido dessas lembranças? Seria o ato de narrar o nosso próprio passado uma maneira de recriá-lo, aproximando-o do universo ficcional? E quanto ao nosso corpo? Que contingências históricas e culturais atribuíram um valor específico ao sentido da visão ou à falta dele?

São essas as questões-chave que conduzem este ensaio do escritor e historiador Flávio Oliveira. O autor nos apresenta os relatos de vida de quatro músicos cegos que se formaram em uma escola especializada na educação de pessoas com deficiência visual em Belo Horizonte, entre as décadas de 1930 e 1960, e os analisa a partir do conjunto de signos encontrados por Gilles Deleuze na obra de Marcel Proust.
Neste livro, Flávio Oliveira, que também é cego, aproxima ambas as narrativas, a de Proust, enquanto obra literária, e os relatos dos quatro músicos (três homens e uma mulher), para mostrar que elas têm em comum o fato de se apoiar na memória dos narradores. Nos dois casos, a memória surge tanto a partir da relação com os sentidos da percepção quanto do próprio ato de narrar.

No ano de 2000, a pesquisa que deu origem a este livro recebeu o primeiro lugar na categoria ensaio do Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte.



Características

  • Ano: 2023
  • Autor: Flávio Oliveira
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525295091
  • Nº de Páginas: 172
  • Capa: Flexível


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

Qual é o papel dos sentidos na memória de um aprendizado obtido e consolidado ao longo da vida? E a palavra? Que lugar ela ocupa no tecido dessas lembranças? Seria o ato de narrar o nosso próprio passado uma maneira de recriá-lo, aproximando-o do universo ficcional? E quanto ao nosso corpo? Que contingências históricas e culturais atribuíram um valor específico ao sentido da visão ou à falta dele?

São essas as questões-chave que conduzem este ensaio do escritor e historiador Flávio Oliveira. O autor nos apresenta os relatos de vida de quatro músicos cegos que se formaram em uma escola especializada na educação de pessoas com deficiência visual em Belo Horizonte, entre as décadas de 1930 e 1960, e os analisa a partir do conjunto de signos encontrados por Gilles Deleuze na obra de Marcel Proust.
Neste livro, Flávio Oliveira, que também é cego, aproxima ambas as narrativas, a de Proust, enquanto obra literária, e os relatos dos quatro músicos (três homens e uma mulher), para mostrar que elas têm em comum o fato de se apoiar na memória dos narradores. Nos dois casos, a memória surge tanto a partir da relação com os sentidos da percepção quanto do próprio ato de narrar.

No ano de 2000, a pesquisa que deu origem a este livro recebeu o primeiro lugar na categoria ensaio do Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2023
  • Autor: Flávio Oliveira
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525295091
  • Nº de Páginas: 172
  • Capa: Flexível


Receba nossas promoções por e-mail: