Um termômetro vivo da civilização: higiene pública e cólera-morbo na Gazeta Medica da Bahia (1866-1870)

Um termômetro vivo da civilização: higiene pública e cólera-morbo na Gazeta Medica da Bahia (1866-1870)

Autor: Marca: Dialética Referência: 9786525212388

Carregando...
Simulador de Frete
- Calcular frete


 

Descrição

"O médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe" é uma das traduções mais comuns para a célebre frase de Abel Salazar. Estendemos o alerta para todas as pessoas interessadas na história da saúde. Não há como pensar a medicina, suas práticas e seus representantes fora da rede de pessoas, sentimentos, técnicas, pactos e conflitos que dão forma às questões sociais, econômicas e políticas vigentes em determinado contexto ? ainda que este seja passível de transformações, influenciado por aquilo que influencia. O livro aqui apresentado exemplifica essa rede que torna a saúde e a medicina fenômenos necessariamente sócio-históricos. Na segunda metade do Oitocentos, um grupo de esculápios decidiu lançar uma gazeta médica na Bahia. As causas para tal, bem como a compreensão desse tipo de jornal e sua circulação entre 1866 e 1870, são cernes das três partes em que esta obra se divide. Na primeira, Vanessa Queiroz apresenta a Gazeta Medica da Bahia ao (à) leitor (a), ora dialogando, ora destacando pontos deixados no escuro pela historiografia tradicional. Na segunda, perscruta a higiene pública como mote da publicação. Na terceira, analisa as constantes aparições da cólera-morbo na folha médica baiana em sua primeira fase. A estrutura contribui para o entendimento de que a medicina, os médicos e a saúde nunca são uma coisa só, nem existem de forma isolada. A imprensa médica como conceito histórico e lugar de alteridade, conforme apresentada pela historiadora, ratifica a assertiva.



Características

  • Ano: 2021
  • Autor: VANESSA DE JESUS QUEIROZ
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525212388
  • Nº de Páginas: 196


Comentários e Avaliações

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.

"O médico que só sabe de medicina, nem de medicina sabe" é uma das traduções mais comuns para a célebre frase de Abel Salazar. Estendemos o alerta para todas as pessoas interessadas na história da saúde. Não há como pensar a medicina, suas práticas e seus representantes fora da rede de pessoas, sentimentos, técnicas, pactos e conflitos que dão forma às questões sociais, econômicas e políticas vigentes em determinado contexto ? ainda que este seja passível de transformações, influenciado por aquilo que influencia. O livro aqui apresentado exemplifica essa rede que torna a saúde e a medicina fenômenos necessariamente sócio-históricos. Na segunda metade do Oitocentos, um grupo de esculápios decidiu lançar uma gazeta médica na Bahia. As causas para tal, bem como a compreensão desse tipo de jornal e sua circulação entre 1866 e 1870, são cernes das três partes em que esta obra se divide. Na primeira, Vanessa Queiroz apresenta a Gazeta Medica da Bahia ao (à) leitor (a), ora dialogando, ora destacando pontos deixados no escuro pela historiografia tradicional. Na segunda, perscruta a higiene pública como mote da publicação. Na terceira, analisa as constantes aparições da cólera-morbo na folha médica baiana em sua primeira fase. A estrutura contribui para o entendimento de que a medicina, os médicos e a saúde nunca são uma coisa só, nem existem de forma isolada. A imprensa médica como conceito histórico e lugar de alteridade, conforme apresentada pela historiadora, ratifica a assertiva.

Deixe seu comentário e sua avaliação







- Máximo de 512 caracteres.

Clique para Avaliar


  • Avaliação:
Enviar
Faça seu login e comente.
  • Ano: 2021
  • Autor: VANESSA DE JESUS QUEIROZ
  • Selo: Dialética
  • ISBN: 9786525212388
  • Nº de Páginas: 196


Receba nossas promoções por e-mail: